Total de visualizações de página

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Não abandone um autista

Hoje o texto é sobre aquelas pessoas que entram na vida do autista e depois somem, sem explicação e não entendem que eles sentem falta, que eles se culpam e ficam pensando o que eles fizeram de errado pra essas pessoas irem embora.
O autista tem dificuldade de entender regras sociais, assim como entender entrelinhas e indiretas. Somos muito bons no que tange ao sexto sentido, porém, ironias, frases de duplo sentido e segundas intenções são coisas que não fazem parte de nosso psicológico. 
Quando não gostamos de alguém, não há situação que nos faça convencer o contrário, isso faz parte do sexto sentido citado ali em cima. Captamos o que a pessoa tem de mais intenso no seu ser. 
Mas quando gostamos de alguém de verdade, a entrega é total, depositamos confiança, lhe entregamos nossos sonhos, o colocamos em um pedestal e o veneramos... Mas o mundo é ruim demais para acreditarem em nós e logo há a desconfiança de que queremos algo em troca, que não é possível ser bom simplesmente por ser. 

Abaixo o triste relato de uma mãe que sentiu na pele sobre o que estou falando:

"Ano de 2016 conhecemos uma psicopedagoga que começou a trabalhar na escola da Luanda. Depois de um tempo ela saiu da escola, mas continuou frequentando nossa casa e trazia revistas pra Luanda, pois ela ama revistas e livros. Mas não sabemos porque ela sumiu.
Entrei em contato com ela várias vezes. Então, ela marcava de vir e não aparecia. Eu dizia pra luana que ela tinha ido trabalhar em outra cidade, pra ela não ficar tão triste. 
Infelizmente para minha total surpresa e tamanha tristeza, minha filha me perguntou o que ela tinha feito de errado para sua amiga ir embora sem se despedir. Essa pergunta foi feita recentemente. Expliquei pra ela que as vezes as pessoas iam embora, mas continuavam gostando da gente, e que ela não tinha feito nada de errado.
Tentei um ultimo contato com a moça e ela me disse que estava sem tempo, não atendeu minhas ligações... Mandei mensagem, pedi para ela enviar um audio pra luana, mas ela nunca mandou. 
Ela não é a única pessoa que fez isso, tenho familiares que passam meses sem aparecer ou ligar pra falar com ela ou pelo menos saber como ela está. Eu sempre tenho que estar ligando e pedindo: "vem ver a Luana", é muito difícil, sabia..."
Jenifer Machado 

Quando li este texto recebido no meu WhatsApp quase como um pedido de socorro. Me doeu de verdade, mas essa não é uma realidade apenas da querida Luana. Eu mesma recentemente perdi amizade de pessoas muito queridas, porque há muito tempo não me permitiam ir vê-las... Eu então postei algo no face como um desabafo. Foi o suficiente para que tivessem o esperado motivo para oficializar o descontentamento comigo. 
Existe o mito de que podemos ser agressivos, há a desconfiança com nossa bondade, há a falta de paciência com nossa sensibilidade.
Mas se eu posso pedir uma coisa é para que não cativem aqueles pelos quais vocês não querem ser responsáveis. 
A frustração para nós pode ser trabalhada quando se trata de coisas. Mas nunca mais esquecemos quando o assunto são pessoas. 

Tenha bondade o suficiente para nos entender.
Nos ame como somos ou nos deixe livre para sermos amados por quem realmente nos quer bem.

Um beijo muito carinhoso. Fiquem com Deus. 



KenyaDiehl 
Autista asperger, mãe de autista 
Escritora, blogueira e empresária 

Nenhum comentário:

Postar um comentário