Total de visualizações de página

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Nesse Natal... Não esqueça que sou autista!

Depois de um ano inteiro de trabalho, noites mal dormidas e a luta incessante que é a vida de pais de autistas, tudo o que se mais quer é aproveitar as festas de final de ano, reunir a família, estourar champanhe e trocar presentes... Mas essa, muitas vezes, não é a melhor opção para o autista.


Se coloque no lugar do seu filho e então conseguirá entender porque ele não gosta das noites natalinas ou, se gosta, porque se desorganiza logo após o fim e muitas vezes leva semanas para voltar ao seu normal.
Perceba que para o seu filho o ano foi igualmente cansativo e tudo o que ele mais precisa é a segurança de sua rotina, a tranquilidade de sua casa e a comida que ele tanto gosta, no horário que ele está acostumado...
Noites de Natal e ano novo são uma explosão de sensorial para pessoas com autismo. Os familiares, via de regra, não se dão conta de que essas festas são hiper estimulantes, desgastam e dão medo.
De repente, do nada, todos se vestem como se fossem sair e ficam em casa, no horário em que o autista está no bom do seu ritual diário, estão chegando pessoas, geralmente essas pessoas estão perfumadas, falam bastante, falam alto, bebem e insistem na tal surpresa (o que será que papai noel trouxe?). Gente, isso é o fim do mundo para quem tem autismo. A gente imagina que veio um brinquedo e de repente vem uma roupa ou qualquer outro exemplo do tipo. A frustração é grande porque quando imaginamos algo sentimos isso na intensidade máxima! E vamos combinar? Ninguém nessas condições tem como gostar de ganhar "quiabo" quando imaginou que iria ganhar uma "torta de sorvete"! só que o autista não fala, se fala tem dificuldade na comunicação de seus sentimentos e aí já começou parte do problema...
Sem contar que o cheiro da comida extrapola o sensorial de qualquer um. As idéias ficam confusas ao ver aves misturadas com frutas e fios doces coloridos em cima da mesa. 
O pior acontece quando o autista se desorganiza, se incomoda com os fogos e sempre tem aquele tio que vem dizer que aquilo não é nada, que não precisa ter medo. Como assim não é nada? Se você ouvisse no volume que eu escuto entenderia porque na maioria das vezes o som alto me incomoda. 
Para continuar o terror, logo após os fogos, as champanhes estourando, os animais agitados e o calor típico que se faz no Brasil, inevitavelmente vem os abraços suados... Da medo, irrita e a única opção muitas vezes é gritar. 
Será mesmo que vale a pena expor seu filho a tantos estímulos? Será que Jesus queria isso para nós em Seu aniversário? Será que tudo o que seu filho precisa não é apenas um copo de leite e biscoitos para as renas do papai noel?

Muitos dirão que têm o direito de se divertir. Mas eu não concordo. Os filhos não tem culpa de serem autistas e é obrigação dos pais proteger, amar e dar conforto emocional a seus filhos. A diversão é algo subjetivo e se você se entregar de corpo e alma verá que não existe prazer maior do que ter a paz reinando no coração de seu filho.
Se for fazer algo, peça aos participantes para que usem menos perfume, falem mais baixo, não façam surpresa, não fiquem falando do autismo, nem perguntando se seu filho melhorou ou se está usando fralda. Respeite a intimidade dele e lembre-se de que ele ouve tudo, ainda que não consiga se expressar... Marque um horário de término e cumpra isso à risca. Avise seu filho sempre antes dos próximos passos e lhe assegure que tudo está bem.Acredite que a verdadeira felicidade não está no agito, nem no som alto e nem nas fotos postadas nas redes sociais. A sua maior alegria está em cumprir sua missão com humildade, força e coragem. 
Feliz final de ano a todos e até o próximo post!
Beijo muito carinhoso. Fiquem com Deus.
Kenya Diehl 
Escritora, blogueira, empresária,
Autista asperger e mãe de autista 

2 comentários:

  1. Também penso assim. Sempre passamos Natal e réveillon na casa da vovó onde ela se sente segura e com pessoas que ela ama. E pessoas que respeitam sua rotina e vontades. Sem exageros e comilança. Mesmo antes dela nascer sempre acreditamos que o real significado do Natal é o nascimento de Jesus e todo seu amor e compaixão com o próximo. Amo seus textos! Continue assim. Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo isso. Parabéns pelo carinho e dedicação com ela. Que Deus abençoe vcs e um feliz Natal. Beijos

      Excluir